!-- SCM Music Player http://scmplayer.net -->

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

GUERRA NOS ANOS 80 TITÃS VS CIRO PESSOA

Assim que a banda começou a levar á sério essa coisa de gravar disco e tal,houve um estranhamento entre André Jung e Ciro,ambos da primeira formação e há quem diga que aquilo viraria guerra e realmente houve...Ele (Ciro) ficou puto pela permanência do André,que por sinal era um puta batera,na época.Aí conversa vai,conversa vem,sai o Ciro,já é a primeira baixa.Sem ele,gravam o primeiro compacto de "Sonífera Ilha" com "Toda Cor" (Ambas do Ciro) e depois gravar o primeiro disco.
Aconteceu que depois dessa,já em 1985,eles inverteram as posições dos bateras e chegou o Charles Gavin,pra completar o octeto.Até hj não se sabe se ainda existe uma mágoa do Ciro com os Titãs ou vice versa..

Titãs - Multitarefas

"Depois de tanto tempo juntos,é legal essa coisa de exercer outras atividades artísticas...Nessa coisa de ficar se recriando,buscando outras coisas,vc vai mudando...A gnt procura fazer outras coisas e enriquecer os Titãs também,para gente continuar tendo prazer em estar junto e tudo isso".

Branco Mello

"Cada atividade que um tem,ela volta pra banda"

Paulo Miklos

"Se você transformar a banda numa prisão,po,eu acho o fim,vc acaba fazendo um troço burocrático que não é legal...O que faz pra mim,a coisa fazer sentido,é o fato de eu ficar satisfeito com o que fazemos,até porquê gosto dessas coisas,porque também poderia não gostar"... "Tem aquela coisa de vc explorar sozinho,o que não dá pra explorar com a banda,afinal,a banda tem aquela coisa de funcionar tudo num consenso".

Sérgio Britto

"Eu me interessei em literatura,o Charles pela pesquisa e produção"

Tony Bellotto

"O Paulo como ator,o Branco gosta de dirigir (filmes,clipes),o Britto compõe bastante"

Charles Gavin

"Isso é uma coisa que complementa,e deixa cada um de nós,tranqüilo,pra quando tá ali no embate,do trabalho coletivo,vc não ter aquela frustração pessoal,por exemplo:Quando eu tenho uma música minha,que não entra,ai tenho outro lado,no meu livro falo o quero e ninguém enche o saco".

Tony Bellotto


A verdade é essa,quando os Titãs não estão em atividade (shows,gravação de clipes),eles exercem cada um suas atividades.Sai um,sai outro e a banda continua tendo o mesmo prazer em estar junto e fazendo shows por todo o Brasil,ou fora daqui,quando em 1988,foram pra Suiça (Na época que estavam em oito) pra gravar o "Go Back". Hoje,o Charles é ex baterista dos TItãs,apresentador,produtor musical e pesquisador.O Paulo tem a carreira consolidada,canta sozinho,participa efetivamente de música de outros artistas,ou de outros álbuns tributos e é ator (trabalhou em filmes como "Areias Escaldantes,como ele mesmo,depois em O "Invasor",como Anísio).O Tony é escritor e já lançou vários livros,entre os quais está o meu predileto - "Belinni e a Esfinge","Bellini e o demônio","Bellini e os Espíritos","O Buraco","BR 163" e agora "Macho Pichu" e ainda é apresentador do programa "Afinando a língua",do canal Futura,o Britto tem a carreira solo dele e canta em outros discos de artistas da antiga safra da MPB e o Branco é diretor de filmes,video clipes e apresenta ás quintas - feiras o "Encontro Com Fátima Bernardes" com a própria,pra apresentar os músicais.

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

sábado, 17 de novembro de 2012

Titãs - Ensaio Geral 2004 (Prog.1, Parte III)

 Lavando a roupa suja!Os Titãs falam da trairagem do Nando,pelo fato dele ter saído pela porta por onde entrou....

Programa Ensaio Geral (Multishow,2010)

Programa 1 - Parte 1














Programa 1 - Parte 2














 Programa 1 - Parte 3














Programa 1 - Parte 4














Programa 2 Completo

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Analisando "Õ Blesq Blom" (1989 - 1990)

TITÃS - Õ BLESQ BLOM (Waner,1989) - Foi o disco que levou o grupo ao sucesso,aquele flerte com a MPB.O encontro com duas pessoas novas na Praia de Boa Viagem,no Recife - PE,mudou a vida deles pra melhor - eram Mauro e Quitéria,uma dupla de cantores repentistas da capital pernambucana.Aliás,foi esse disco que fez a banda chegar num patamar mais alto,depois de lançar o disco.Vamos analisar o disco,as 12 faixas.




  1. Introdução pr Mauro e Quitéria - Uma espécie de vinheta para entrar a próxima canção.12 segundos para a entrada de "Miséria".
  2. Miséria (Arnaldo Antunes - Paulo Miklos - Sérgio Britto) - A música que levou o grupo até para o Rock in Rio,em 1991,aliás,o disco quase todo,foi tocado no Rock In Rio,Essa música foi feita por esse trio maravilhoso,falando sobre a miséria do nosso país,mas como eles dizem,"miséria é miséria em qualquer canto,riquezas são diferentes".Quem canta a música é a dupla Britto e Miklos
  3. Rácio Símio (Arnaldo Antunes - Marcelo Fromer - Nando Reis) - A música não quer dizer nada,não fala coisa com coisa,não curto muito a letra,mas como ele disse, "quem come prego,sabe o cú que tem".
  4. O Camelo e o Dromedário (Paulo Miklos - Marcelo Fromer - Tony Bellotto - Nando Reis) - Uma das músicas que nem tocou tanto na rádio,aliás nem tocou...
  5. Palavras (Marcelo Fromer - Sérgio Britto) - Outra letra fantástica,mas essa versão é a mais pesada com as guitarras solo e base metendo bronca junto da bateria do Charles e do baixo do Nando.Quem canta é o Britto.
  6. Medo (Tony Bellotto - Arnaldo Antunes) - Essa dupla hein,sempre sai fazendo música e saiu essa,depois de "Família" do "Cabeça"."Medo" seria uma poema do Arnaldo e Tony fez a melodia em cima com as guitarras e tal...
  7. Flores (Charles Gavin - Paulo Miklos - Tony Bellotto - Sérgio Britto) - Ah,cheguei onde eu queria.Foi com essa música que os Titãs trouxeram a MTV para o Brasil,com a premiação da Video Music Awards...que a MTV Americana exibiu naquela época.MTV aqui no Brasil,nem existia,foram os Titãs que trouxeram graças as várias exibições do clipe dessa faixa...
  8. O Pulso (Arnaldo Antunes - Marcelo Fromer - Tony Bellotto) - Esse trio também não mede esforço pra fazer música...E sai essa,a mais dificil par cantar por causa da letra cheia de doença,algumas doenças,dificeis até de falar...cirtiscicose,é uma....rsrs....
  9. 32 Dentes (Branco Mello - Marcelo Fromer - Sérgio Britto) - Essa letar parece ser um plágio,mas não...eles só acharam por bem,colocar frases de famosos como Roberto Carlos ou Marcos Valle,mas não quer dizer nada...A letra é muito loka,um rock mesmo....
  10. Faculdade (Paulo Miklos - Arnaldo Antunes - Nando Reis - Branco Mello - Marcelo Fromer) - Uma das faixas também totalmente crazy,com as palavras separadas em sílabas...Outra q não me agrada...
  11. Deus e o Diabo (Sérgio Britto - Paulo Miklos - Nando Reis) - O trio compôs essa para fechar o disco,mas quem comanda mesmo é essa dupla - Britto e Miklos,como sempre...Ele fala sobre Deus e o Diabo,qual a diferença de um para outro...Porque só existe um Deus e o diabo é mais do que uma alucinação ou alienação dos crentes dessas igrejinhas,na minha concepção...
  12. Vinheta Final por Mauro e Quitéria - 10 segundos e essa vinheta fecha o disco....

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Sobre a capa do disco "A Melhor Banda" e a primeira formação dos Titã

Bem,a capa desse disco,me lembrou a foto abaixo,da primeira formação da banda entre 1982 e 1983,em Sampa,a época em que todos da banda,estavam na formação completa...

Na foto abaixo de pé:Sérgio Britto,Branco Mello,Ciro Pessoa,Marcelo Fromer e Tony Bellotto.Agachados:André,Arnaldo,Paulo e Nando

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Analisando "Domingo" (1995)

Vamos analisar agora o 9º album de carreira da banda e oitavo disco de estúdio.















  1. Eu não aguento (Boneka,Trambolho) - Introdução "Sangue Latino" (João Ricardo e Paulinho Mendonça) - Bem,esse trabalho lançado em 1995,foi um trabalho gravado aqui sob a supervisão e produção de Jack Endino,que produziu o "Titanomaquia",o álbum mais pesado da banda,e primeiro álbum depois da saída de Arnaldo Antunes.Essa faixa abre o disco e é a primeira canção a ser regravada por eles com a participação do autor Sérgio Boneka,interpretando um policial na música.Uma das canções a receber grande execução,pois até a introdução de "Sangue Latino" dos Secos & Molhados,deu um brilho enorme a canção.
  2. Domingo (Tony Bellotto - Sérgio Britto) - A faixa título fez o disco vender muito,digo assim,um disco que ficou popular.Dessa vez,o Britto troca o orgão hammond pra fazer a terceira guitarra.
  3. Tudo o que você quiser  (Branco Mello - Charles Gavin - Sérgio Britto) - Uma canção de bastante peso,mas falando de amor,como nos velhos tempos.
  4. Rock Americano (Mauro - Quitéria - Sérgio Britto) - É uma adaptação,pra falar verdade.Mauro e Quitéria,na época tinham falecido e ele,o Britto,tinha escutado em uma fita o cantar de Mauro e fez uma adaptação das frases musicais dessa dupla que participou do homônimo disco "Õ Blesq Blom" (1989).
  5. Tudo Em Dia (Branco Mello - Arnaldo Antunes - Sérgio Britto) - A unica desse disco com a parceria e colaboração do Arnaldo.Ele fala dos planos de pessoas como eu que almejam realmente tudo em dia...
  6. Vamonos (Sérgio Britto) - Como o Britto teve alfabetização em castelhano,ele arriscou o idioma pra escrever essa música,com bastante peso.
  7. Eu Não Vou Dizer Nada (Além do Que Estou Dizendo) - Uma das canções que virou tema de novela,acho da Bandeirantes.
  8. O Caroço Da Cabeça (Herbert Vianna - Nando Reis - Marcelo Fromer) - A primeira canção que os Titãs fazem com parceiros fora da banda.Os Paralamas (Herbert) participa tocando guitarra,além de ter composto a canção ao lado de Nando e Fromer,mas pra ser mais claro,o Nando só canta essa do disco.
  9. Ridi Pagliaccio (Branco Mello - Tony Bellotto - Sérgio Britto) - Seguindo a linha da sexta faixa,os Titãs escrevem em italiano e saai essa letra incrível!
  10. Qualquer Negócio (Branco Mello - Marcelo Fromer - Tony Bellotto - Paulo Miklos - Charles Gavin) - Uma música com letra sintética,objetiva e clara...Fazemos qualquer negócio...
  11. Brasileiro (Branco Mello - Tony Bellotto - Sérgio Britto) - A letra mostar o típico do brasileiro,não precisa acrescentar mais nada na letra..BRASILEIROOOOOOOOOOOO!
  12. Um Copo De Pinga (Folclore Popular - Sérgio Britto) - Também é uma adaptaação de Britto,para o folclore popular.
  13. Turnê (Branco Mello - Charles Gavin - Nando Reis) - O que está na letra da canção śão as mais puras verdades,eles viajam tanto que a disponibilidade deles as vezes é bastante cansativa,por isso,sai um,sai outro,é turnê de tudo que é lugar,Rio,São Paulo,Minas...
  14. Uns Iguais Aos Outros (Charles Gavin - Sérgio Britto) - Essa cai como uma luva para Paulo Miklos e Sérgio Britto entoarem,como fazem em "Miséria","Deus e o Diabo".A Letra tb é sintética,sem firula...Ela fala sobre tudo que é religião e seus povos...

Analisando "Jesus Não Tem Dentes No País dos Banguelas (1987)

Vamos analisar as 12 canções do 4º disco dos Titãs - "Jesus Não Tem Dentes No País Dos banguelas"


Vou dar minha opinião parcial a cada faixaa do disco...Obviamente,o disco não começa com a faixa - título....E não temos lado a,e sim lado t e lado b - sendo lado j.




  1. Todo Mundo Quer Amor (Arnaldo Antunes) - É a faixa que abre o disco.Realmente todos querem amor,não importa quem,ou o quê.A primeira faixa do LP,é da autoria do Arnaldo Antunes,que já abre o berreiro gritando "Quem tem pinto,saco,boca,bunda,cú buceta,quer amor"!
  2. Comida (Arnaldo Antunes - Marcelo Fromer - Sérgio Britto) - Falar abertamente de problemas sociais,é com os Titãs e esse trio da pesada,resolve cantar a realidade do país que estava na miséria total no comando de José Sarney como pressidente do nosso país.Afinal,a gente não quer só comida,a gnt quer comida,diversão e arte e saída para qualquer parte.Quem entoa a canção é o próprio autor Arnaldo Antunes,com o coro lá atrás de Branco Mello,Paulo Miklos e Sérgio Britto,enquanto Nando faz os solos de baixo e Tony,nos solos de guitarra e Charles pondo para foder tocando bateria.
  3. O Inimigo (Branco Mello - Marcelo Fromer - Tony Bellotto) - A mais fraca do disco,tipo uma espécie de vinheta para uma próxima canção.Ela fala do inimigo (seja político,polícia,seja lá o que for).
  4. Corações e Mentes (Sérgio Britto - Marcelo Fromer) - Dessa dupla se espera tudo,e essa canção é das mais pesadas desse disco,além das outras 7 últimas.
  5. Diversão (Sérgio Britto - Nando Reis) - Engraçado que nem sempre os autores podem ter a disponibilidade de cantar as canções que compõe e nessa,nem Britto,nem o Nando cantam.Quem entoa é o Paulo Miklos,e ele é o intérprete oficial e legal da canção.No projeto com Paralamas,o cantor da canção foi o Herbert.Ele an minha opinião estragou a música.
  6. Infelizmente (Sérgio Britto) - A mais fraca do disco.Mas a letra é a realidade do que se vê hoje...
  7. Jesus Não Tem Dentes No País dos Banguelas (Marcelo Fromer e Nando Reis) - A faixa título.Não sei o que o Nando queria dizer com essa frase,mas diz,o Nando que é um provérbio,sei la...A letra só fica na frase...é um tipo de instrumental.Dessa faixa em diante,é o lado mais pesado do disco...
  8. Mentiras (Sérgio Britto - Marcelo Fromer - Tony Bellotto) - O mesmo que aconteceu em "Diversão".Quem entoa a faixa é o Paulo Miklos.A letra fala em si o que essas igrejinhas de merda fazem,além de lavagem de dinheiro,lavando a mente das pessoas mais necessitadas,cobrando dessas pessoas o dízimo e a cura,mas em nada eles fazem em nome da fé em Jesus.
  9. Desordem (Charles Gavin - Sérgio Britto - Marcelo Fromer) - Outra contribuição do Charlito em composição,mas desta vez ao lado de Sérgio Britto e Marcelo Fromer.Os três estavam em busca de coisas pra descrever a desordem que está o nosso país naquela época e nos dias de hoje.Hoje em dia você vê briga de torcidas,da pior espécie...Detentos fugindo da cadeia...e assim vai,políticos prometendo e nada fazem pra melhorar a vergonha do país.
  10. Lugar Nenhum (Arnaldo Antunes - Charles Gavin - Marcelo Fromer - Tony Bellotto - Sérgio Britto) - A letra de "Lugar Nenhum" é uma tirada de sarro para muitas coisas.O Arnaldo sai gritando:Não sou brasileiro,não sou estrangeiro....e realmente ele alega,"sou de nenhum lugar,sou de lugar nenhum...".
  11. Armas Pra Lutar (Arnaldo Antunes - Branco Mello - Marcelo Fromer - Tony Bellotto) - Outra letra de Branco Mello e Arnaldo Antunes,bem mais espansiva,pesada em termo de letra.Ninguém vive sem armas pra lutar...
  12. Nome Aos Bois (Nando Reis - Marcelo Fromer - Tony Bellotto - Arnaldo Antunes) - Nessa,Nando ataca de novo os maiores filhos da puta que já existiram na face da terra,inclusive  aquele do "um instante maestro",Flávio Cavalcanti e o ditador alemão Adolf Hitler...ele berra Aadolf Hitleeeeeeeeeeeeeer!
  13. Violência (Charles Gavin - Sérgio Britto) - Outra que caiu na voz do Paulo Miklos que abriu mão de assinar alguma canção desse trabalho.Essa canção não está incluída no formato em vinil,mas em bônus track do CD.A letra fala da violência em geral.

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Analisando "A Melhor Banda De Todos Os Tempos Da Última Semana" (2001)

Vamos analisar e revisitar o disco de ponta a ponta,da primeira á décima sexta faixa.Mas antes vamos falar também da possível ausência do Fromer nas bases da guitarra,mas da presença dele nas composições que ele havia deixado antes de partir.












  1. Vamos ao Trabalho (Paulo Miklos) - Faixa que abre o disco,a única da autoria individual do Paulo.Música boa com peso da bateria do Charles e das guitarras do Bellotto e do Emerson Vilani,que substituiu Marcelo na guitarra base.
  2. A Melhor Banda De Todos Os Tempos da Última Semana (Branco Mello e Sérgio Britto) - A Faixa título que agora virou título dos Titãs.Falar de fama é meio complicado,mas os dois compositores são claros e sintéticos.
  3. O Mundo É Bom,Sebastião (Nando Reis) - Depois de compor "Sua Impossível Chance" e "Eu e Ela",agora é a vez de compor para o filho que tinha nascido.Nando Reis escreveu letra e melodia,inteira sem erro,e na hora de gravar fez bonito.
  4. Bom Gosto (Sérgio Britto - Marcelo Fromer - Tony Bellotto) - A primeira deste trabalho a ser composta e deixada pelo Marcelo.O Britto (letrae vocal) detalhou o que era ter bom gosto numa época tão crítica como em 2001.E o Bellotto (música e solo das guitarras),principalmente.
  5. Um Morto de Férias (Marcelo Fromer - Tony Bellotto - Sérgio Britto) - Também deixada pelo Marcelo.Quem colabora cantando é o Branco Mello.
  6. Epitáfio (Sérgio Britto) - Essa canção era pra ter sido feita com o Fromer,mas o Britto acabou fazendo sozinho.A música é linda,tanto é que sempre que posso,entoo ela em homenagem ao Fromer.
  7. É Bom Desconfiar (Nando Reis) - A segunda música do Nando,para este trabalho.Não curto muito essa música.É a melô do maloqueiro.
  8. Não Fuja da Dor (Branco Mello - Marcelo Fromer - Tony Bellotto - Charles Gavin) - Mais outra deixada pelo Marcelo.Nesse trabalho,ele deixou sete músicas compostas por ele com a banda,antes de partir para o além.Ela fala para que a gnt nunca fuja da dor....
  9. Daqui pra lá (Sérgio Britto - Torquato Neto) - Outro resgate de Britto com os poemas do poeta tropicalista Torquato Neto,que além de ter feito "Go Back" para que Britto musicasse depois em 1984,chega essa quentinha do forno.Afinal,o futuro é hoje,cabe na mão!
  10. Isso (Tony Bellotto) - Mais uma de Bellotto,letra e música.O escolhido da vez é o mesmo que canta "Mulher Robot" e "Sonífera Ilha",Paulo Miklos.O Bellotto fez a música quando estava meio brigado com a Malu (Sua esposa,desde 1989).A letra fala da rotina de um casal que infelizmente estava se separando.
  11. Eu Não Presto (Branco Mello - Ciro Pessoa) - Olhaí mais uma da dupla Ciro - Branco.Depois de tanto tempo sem compor uma música desde "Sonho Com Você","Sonífera Ilha","Babi Índio"e "Dona Nenê",eles voltam com "Eu Não Presto" para a novela "Marisol" do SBT.
  12. Mundo Cão (Sérgio Britto) - Outra do grande Sérgio Britto.Dessa vez ele retrata nosso mundo - cão,como um mundo bagunçado,desorganizado,no seu estado nem um póuco legal.
  13. Mesmo Sozinho (Nando Reis) - Essa seria a continuação de "Eu e Ela" do "Volume Dois".Acabou que o próprio Nando ficou super feliz que a música entrou nesse trabalho,se não também,ele seria o próximo a sair da banda desde a época do "Titanomaquia",quando não encontrou sintonia naquele disco.Mais uma vez ele retrata a rotina de um amor acabado,mas que ele alega sentir saudades da época que viveu com ela.
  14. Bananas (Charles Gavin - Paulo Miklos - Sérgio Britto) - A mais divertida do disco.Eles até lembram de Carmen Miranda e do samba,do iá iá.
  15. Alma Lavada (Branco Mello - Marcelo Fromer - Tony Bellotto - Sérgio Britto - Charles Gavin) - Outra do Marcelo com os outros companheiros da banda,a penúltima deixada por ele.
  16. Cuidado Com Você (Arnaldo Antunes - Paulo Miklos - Marcelo Fromer - Tony Bellotto) - A última das músicas desse trabalho composta e deixada pelo Marcelo,antes de desencarnar e junto de Arnaldo Antunes.

Analisando "Volume Dois" (1998)

Vamos analisar agora o disco que daria continudade a turnê do acústico dos Titãs e eu vou dar minha opinião sobre os novos arranjos das músicas que ficaram fora do acústico e das (seis) inéditas desse novo trabalho...

Vamos lá!










  1. Sonífera Ilha (Tony Bellotto - Branco Mello - Ciro Pessoa - Marcelo Fromer - Carlos Barmack) - Tinha que começar justamente com essa canção - hino dos Titãs e claro,quem entoa é o de sempre Paulo Miklos,o mesmo vocalista da versão anterior...É uma pena ter ficado fora do acústicos,mas os metais e cordas não podiam faltar e quem já ouviu essa versão de "Sonífera Ilha",adorou a nova roupagem com o trombone e o trompete tocando juntos no começo e outra surpresa é que ela ficou mais dançante no que da primeira versão...
  2. Lugar Nenhum (Arnaldo Antunes - Charles Gavin - Tony Bellotto - Marcelo Fromer - Sérgio Britto) - Agora na voz do Branco,ficou supimpa também.A gaita do Flávio Guimarães junto com a guitarra do Bellotto conversavam no intervalozinho da canção...
  3. Sua Impossível Chance (Nando Reis) - O Nando também acabou compondo essa,sabe se lá se foi para o seu repertório solo ou se era para o os Titãs.A letra é maneiraça...
  4. Desordem (Sérgio Britto - Charles Gavin - Marcelo Fromer) - Resgatada do "Jesus",ela merecia uma segunda versão,tanto é que no disco,o tom foi alterado pra sol maior e a letra tb foi mudada...De "Que ainda possa se encontrar" para "Que pese isso sempre há,graças a Deus,quem acredite no futuro"..alguma coisa assim...
  5. Não Vou Me Adaptar (Arnaldo Antunes) - A música não perdeu a essência,pelo contrário...No lugar da bateria de Charles Gavin,o naipe de cordas e o violão de Bellotto e de Fromer e claro,a voz do Nando Reis,que canta essa canção pela primeira vez.
  6. Domingo (Tony Bellotto - Sérgio Britto) - Essa também não perdeu a essência,pelo contrário...no lugar da guitarra do Bellotto,ela surpreende de novo com a gaita do Flávio Guimarães.
  7. Amanhã Não Se Sabe (Sérgio Britto) - Outra inédita do Britto.A letra e a música são igualmente lindas...Acho que ele fez pra Raquel,esposa dele.
  8. Caras Como Eu (Tony Bellotto) - Desta vez,o Tony escolheu o Branco pra cantar uma música dele.Era a cara do Branco acho.."Caras como eu,estão ficando velhso,calçando seus chinelos,concluindo que não há mais tempo"...
  9. Senhora e Senhor (Arnaldo Antunes - Paulo Miklos - Marcelo Fromer) - Uma das letras mais belas do Arnaldo e do Paulo em parceria com o Fromer.É inédita também...
  10. Era Uma Vez (Arnaldo Antunes - Branco Mello - Marcelo Fromer - Sérgio Britto - Tony Bellotto) - Outra do Arnaldo com os outros companheiros.É um poema,praticamente...Quem canta é o Branco Mello
  11. Miséria (Sérgio Britto - Paulo Miklos - Arnaldo Antunes) - Viva Mauro e Quitéria,dos tempos da chamada "é na tela de cinema"!Os Titãs ressuscitaram a canção do homônimo "Õ Blesq Blom" com uma levada mais pop com berimbau e violões e a bteria de Charles e é claro que temos a voz de Britto e Miklos cantando juntos,como da outra vez em 1989.Pra encrementar os caras ainda cantam "Rock americano" da mesma dupla Mauro e Quitéria,que haviam falecido,de velhos mesmo...E finalizam "É noite de blecau,é noite de blecau"....
  12. Insensível (Sérgio Britto) - Eles ressuscitaram para esse trabalho uma boa parte das canções que ficaram de fora do acústico ou mesmo músicas que fazem parte de seus homônimos álbuns,do qual eles nunca tocaram e essa foi escolhida também pra ser faixa de trabalho do disco "Volume Dois".Mudaram não só a roupagem da canção como também o Britto,quase que mudou a letra,mas como a letra e música são dele,ele faz o que quer.Ficou bonita e ganhou uma versão single.
  13. Eu e ela (Nando Reis) - Também do Nando e inédita nesse trabalho,mas especialmente para seu repertório solo,mas ele acabou colaborando com mais essa,mas acabou que Paulo Miklos foi o escolhido pra cantar a música do início ao fim...Ela fala do término de um relacionamento,como qualquer outro que termine,mas ele resolve não procurá - la mais e deseja que ela seja feliz,longe das suas vistas.
  14. Toda Cor (Marcelo Fromer - Ciro Pessoa - Barmack) - Como nos velhos tempos,Branco é o cantor titular de "Toda Cor" de fato e direito.Fikou mais show de bola também sua releitura com o naipe de cordas no intervalozinho de leve.
  15. É Preciso Saber Viver (Roberto Carlos - Erasmo Carlos) - Porra,essa então ficou show de bola com a interpretação dos Titãs.Inédita também...
  16. Senhor Delegado (Antoninho Lopes - Jaú) - Inédita e sendo regravada pelos Titãs,pela primeira vez.Esse samba foi gravado pelo intérprete titular,Germano Mathias e depois por Gilberto Gil e aí os Titãs revisitaram a obra e acharam melhor também incluir um samba no disco.Acho até que a sugestão partiu do Charles Gavin.Eu Não Aguento (Boneka - Trambolho - Cássio) - Essa canção já foi gravada pelos Titãs no disco "Domingo",com a introdução de "Sangue Latino" dos Secos & Molhados.Eles revisitaram essa obra para incluir neste trabalho e claro,de fato e direito,o vocalista é o Britto,com certeza.Só o que alterou foi o tom dela que de fá sustenido menor passou pra sol sustenido menor e a inclusão do naipe de metais.

Analisando "Acústico" - As 4 inéditas e as outras 15

Analisando o Acústico (1997) - Primeiramente as quatro inéditas do projeto...












  1. Os Cegos Do Castelo (Nando Reis) - Do repertório solo do Nando.Ele rezou pra entrar e acabou entrando,mesmo assim,não tinha mais tesão de ficar na banda.
  2. A Melhor Forma (Sérgio Britto - Branco Mello - Paulo Miklos) - Bem,desse trio se pode esperar tudo e essa música mesmo não tocando nas rádios,foi a melhor do projeto.Afinal,"as idéias estão no chão,a melhor forma de manter - se jovem,é esconder a idade".
  3. Nem 5 Minutos Guardados (Sérgio Britto - Marcelo Fromer) - Linda canção.o Britto acertou em cheio na letra,como ninguém.Marcelo Fromer,deixou sua marca ajudando na projeção de compor a melodia...Ficou show...
  4. Não Vou Lutar - Outra faixa maravilhosa do disco.Porra,achei justo a música ter entrado.Paulo Miklos e Sérgio Britto,como sempre,arrebentam...

As demais (19 Da carreira)

  1. Comida (Arnaldo Antunes - Marcelo Fromer - Sérgio Britto) - Achei que ficou ótima o novo arranjo de "Comida",até o próprio autor Arnaldo tinha comentado que o felling da canção ficou da porra.
  2. Go Back (Sérgio Britto - Torquato Neto) (em espanhol) - A presença do argentino Fito Paez abrilhantou a música,a versão de Martin Cardoso pra espanhol ficou show também,juntamente com o poema de Pablo Neruda (esqueci o nome).
  3. Pra Dizer Adeus (Tony Bellotto - Nando Reis) - Po,nunca tinha pensado nisso,mas foi a primeira música que o Nando fez com o Bellotto,mas a versão reggae do disco "Televisão" não agradou.Depois que ouvi o novo arranjo,com o Paulo cantando,falei:Porra,é essa...Até que a canção com esse arranjo do acústico foi a primeira faixa de trabalho.
  4. Família (Tony Bellotto - Arnaldo Antunes) - Ficou do caralho também,a versão do acústico,deixou a música mais leve,mais do que o original,mesmo falando dos problemas sociais da família.
  5. Diversão (Sérgio Britto - Nando Reis) - A canção que era um pouco mais pesada no começo de quando foi gravada em 1987,ficou mais carnavalesca,adorei!
  6. O Pulso (Arnaldo Antunes - Marcelo Fromer - Tony Bellotto) - Do "Ô Blesq Blom" foi a melhor a entrar no projeto,ainda mais com o convidado e autor da letra,Arnaldo Antunes.Só sei dizer o seguinte:Arnaldo quando começou a cantar a letra do começo ao fim sem errar,deu show...
  7. Flores (Charles Gavin - Tony Bellotto - Sérgio Britto - Paulo Miklos) - Também do "Ô Blesq Blom".Essa já não agradou muito.A presença chata da Marisa Monte cantando ao lado do Branco,não me convenceu...mas a orquestra de cordas e naipe de metais foi a melhor coisa q eles fizeram...Já o novo arranjo,não agrada!
  8. 32 Dentes (Branco - Fromer - Britto) - Ficou mais a cara do acústico que no sexto disco.Acho que foi o melhor arranjo a ser feito (Acho não,tenho certeza).
  9. Hereditário (Tony Bellotto - Nando Reis - Arnaldo Antunes) - Não era pra ter entrado no disco,mas já que entrou,blz.Não agradou,o arranjo não ficou totalmente igual ao do Titanomaquia.
  10. Palavras (Sérgio Britto - Marcelo Fromer) - A melodia e o arranjos ficaram o bicho...adorei,ficou mais leve...mais relax...
  11. Querem Meu Sangue (The harer They Come) - (Jimmy Cliff - Versão de Nando Reis) - Porra,o dueto Cliff - Nando arrepiou nas dua versões...Ficou mais pop,mais discotheque,invês da versão reggae do primeiro disco.
  12. Homem Primata (Sérgio Britto - Marcelo Fromer - Nando Reis - Ciro Pessos) - Outra que ficou com uma cara boa e nova,sem peso,arrojada...Gostei muito,a galera no teatro João Caetano começou a dançar quando começou a tocar "Homem Primata" na gravação do programa e do disco.
  13. Bichos Escrotos (Arnaldo Antunes - Sérgio Britto - Nando Reis) - Entre uma brecha e outra,acho que entre "O Pulso" e "A Melhor Forma",o Paulo começou a gritar "Bichos" e a platéia "Saiam dos LIxos",acho que ficou boa a brecha para entrar Bichos Escrotos,mas não pensei que fosse planejada a entrada dela,mas como todo show dos Titãs que se preze,tem que ter "Bichos Escrotos".Como diria o Paulo,"Se der uma brecha a gnt mete qualquer uma".
  14. Televisão (Arnaldo Antunes - Tony Bellotto - Marcelo Fromer) - Ela entrou no set list do acústico,mas no dia da gravação ela foi a primeira a ser tocada ao vivo,não com a participação brilhante de Rita Lee e Roberto de Carvalho.A mudança de tom ao vivo passou de lá maior pra sol maior.Mais na gravação do estúdio,qdo passaram a emoção com a Rita Lee,eles gravaram no tom original.
  15. Marvin (Patches) (G.N Johnson e Ronald Dunbar - Versão de Sérgio Britto e Nando Reis) - A releitura de Marvin para o acústico,deu a entender que ficou mais parecida com o original,metais,cordas e os Titãs botando pra quebrar no palco do Teatro João Caetano.





domingo, 4 de novembro de 2012

Analisando "Tudo Ao Mesmo Tempo Agora" (1991)

TUDO AO MESMO TEMPO AGORA (1991) - O sétimo álbum da carreira e o último da banda com a participação de Arnaldo Antunes nos vocais.Posso definí - lo em duas palavras:Cru e bruto.Vamos analisar as faixas.Com minha opinião,é claro!

O disco foi composto,arranjado e produzido pela banda coletivamente. Eles se desentenderam com o Liminha e resolveu produzir independentemente.








  1. Clitóris - Uma letra que na minha opinião não queria dizer nada além de falar dos órgãos femininos e de um tal de papanicolau.
  2. O fácil e o certo - Pois é,não tenho como definir essa frase,quero dizer,a letra.O Britto acertou em cheio em compor a canção!
  3. Filantrópico - A mais pesada do disco,fala do homem e das suas mil qualidades.... ALTRUÍSTA....COMPLACENTE,CARIDOSO,TÃO GENTE!FILANTRÓPICO,SAMARITANO,GENEROSO,TÃO HUMANO!
  4. Cabeça - Outra das mais cabeludas letras do Paulo Miklos e do Arnaldo Antunes.Muito foda,adoro!
  5. Já - Letra e música do Arnaldo.Já é uma boa música pros meus ouvidos...
  6. Eu vezes eu - Falando em matemática,uma matemática meio egoísta,na minha opinião,divisão,multiplicação...
  7. Isso Para Mim É Perfume - Uma canção que o Nando escreveu falando um monte de palavrões pra mandar uma certa pessoa tomar no cu.Pelo refrão já se vê - "Amor Eu quero Te Ver Cagar"!
  8. Saia de Mim (Arnaldo Antunes) - A primeira faixa de trabalho e que a princípio foi proibida a sua execução,mas os caras dos Titãs cagaram e andaram.
  9. Flat Cemitério - Apartamento - Uma das letras que não quer dizer nada.Na minha opinião,bastante fraca.
  10. Agora - A letra é do Arnaldo e a música do Paulo Miklos. A Letra toda fala no agora,no presente.
  11. Não é por não falar - Outra da autoria do Britto.A felicidade existe,mas nem sabemos se gostamos dela.
  12. Obrigado - Também do Nando.Uma letra que só fica naquilo - Obrigado,de nada,obrigado a nada...
  13. Se você está aqui - Do Nando,"Se vc não quer nada,porque que não vai embora"?Porra!
  14. Eu Não Sei Fazer Música - A Letra é toda louca....realmente NINGUÉM SABE NADA!
  15. Uma Coisa de Cada Vez - A última do disco e faixa - título.Uma coisa de cada vez,tudo ao mesmo tempo agora....
Formação

Arnaldo Antunes: vocal
Branco Mello: vocal
Charles Gavin: bateria e percussão
Marcelo Fromer: guitarra
Nando Reis: baixo e vocal
Paulo Miklos: teclado e vocal
Sérgio Britto: teclado e vocal
Tony Bellotto: guitarra

Créditos
Engenharia de gravação: Carlos Freitas e Roberto Marques
Overdub de teclados e vocais: Nas Nuvens (RJ)
Engenharia de overdub: Vitor Farias
Mixagem: Nas Nuvens (RJ)
Técnicos de mixagem: Vitor Farias
Assistentes de mixagem: Antoine Midani, Guilherme Carlicchio e Mauro Bianchi
Masterização: Roberto Marques e Stephen Marcussen
Assistentes de estúdio: Thiago Marques
Assistente de produção: Nelson Damascena
Capa: Fernando Zarif
Fotos: Rômulo Fialdini
Roadie: Sombra Jones
Arte final: Patrícia do Valle Dias
Coordenação gráfica: Silvia Panella
Desenhos da capa extraídos da Enciclopédia Barsa.
















Analisando "Televisão" 1985

Televisão é o segundo álbum dos Titãs.Porém,na minha opinião,o mais fraco de todos os discos da época.Vamos analisá - lo? Da primeira á ultima faixa.O disco foi produzido por ninguém mais,ninguém menos que Lulu Santos.














  1. Televisão (Arnaldo Antunes - Tony Bellotto - Marcelo Fromer) - Enfim,a faixa título do disco,uma das onze a fazer sucesso,evidentemente,na TV em programas como "Cassino do Chacrinha", "Clube do Bolinha","Raul Gil" e nas rádios do Brasil.E por causa desse sucesso,a faixa ganhou uma versão remixada por Iraí Campos.
  2. Insensível (Sérgio Britto) - A outra a fazer sucesso,tocou nas rádios e tudo,também mereceu uma gravação especial para single do mesmo título.
  3. Pavimentação (Paulo Miklos - Arnaldo Antunes) - Outra da dupla Paulo - Arnaldo.Não tocou tanto e por isso a música só chegou a ser divulgada mesmo em 1988 com outra roupagem,mais pesada.
  4. Dona Nenê (Branco Mello - Ciro Pessoa) - Da dupla Branco - Ciro.Comparam certa vez essa canção com "Sacos Plásticos" como a "Dona Nenê" revestida,do século XXI.
  5. Pra Dizer Adeus (Tony Bellotto - Nando Reis) - Olha,pra ser sincero,essa versão a la Bob Marley não agradou muito,a voz do Nando Reis,não é aquelas coisas nessa faixa,só os solos do Bellotto é que ganham destaque.
  6. Não Vou Me Adaptar (Arnaldo Antunes) - A única que o Arnaldo compõe sozinho.Todos fazem coro atrás de Arnaldo,enquanto ele entoa esse reggae.A canção é perfeita,eu por sinal,adoro.
  7. Tudo Vai Passar (Sérgio Britto - Paulo Miklos) - Uma da dupla Marcelo Fromer - Sérgio Britto que teve sabe se la quantos votos pra entrar nesse disco.O Britto escreveu a letra falando de amor,mas do amor quase que findado.Tanto é que ele finaliza dizendo "Se acaso vc me deixar,por causa de alguém,se for assim,é melhor esquecer de uma vez".
  8. Sonho Com Você (Ciro Pessoa - Branco Mello) - Outra da dupla Ciro - Branco.Uma canção de amor.Um coro cantando atrás da voz do Branco que sorri dizendo "O que eu sinto é tão simples,sonho com vc".
  9. O Homem Cinza (Nando Reis) - Uma letra sem pé nem cabeça.Fraca.
  10. Autonomia (Paulo Miklos - Arnaldo Antunes - Marcelo Fromer) - A penúltima do disco,fala de autonomia própria.Eu por exemplo,"o que eu queria,eu sempre queria,era conquistar a minha autonomia"
  11. Massacre (Sérgio Britto - Marcelo Fromer) - A última do disco,no entanto a mais pesada.Também feita pela dupla Fromer - Britto,onde Arnaldo,Branco,Britto e Miklos cantam juntos.
TITÃS

Arnaldo Antunes: vocal
Branco Mello: vocal
Charles Gavin: bateria e timbales
Marcelo Fromer: guitarra
Nando Reis: baixo e vocal
Paulo Miklos: baixo ("O Homem Cinza" e "Pra Dizer Adeus"), teclado ("Não Vou me Adaptar", "Insensível" e "Tudo Vai Passar") e vocal
Sérgio Britto: teclado e vocal
Tony Bellotto: guitarra

Ficha Técnica

Produzido por Lulu Santos
Produção executiva: Pena Schmidt
Direção artística: Arnolpho Lima Filho
Técnicos: Guilherme, Ricardo Franja e Roberto
Mixagem: Estúdio Sigla (RJ)
Engenharia de mixagem: Andy Mills e Edu
Assistente de mixagem: D'Orey
Capa: Guto Lacaz
Foto: Vânia Toledo
Figurino: Kaos Brasilis


Analisando o Titanomaquia - 1993

Vamos analisar o oitavo álbum da carreira dos Titãs,que rendeu shows entre 1993 e 1994.

Produzido por Jack Endino.
Jack Endino é um produtor musical de SeattleEUA. Fortemente associado com a gravadora Sub Pop e com a cena grunge, ele produziu álbuns seminais de bandas comoMudhoney e Soundgarden. Mas é mais famoso por produzir o primeiro álbum do Nirvana, chamado Bleach, lançado em 1989. Recentemente produziu as bandas Hot Hot Heat,Zeke e High on Fire.[1]
Ele também tocou na clássica banda Skin Yard. Paralelo a isso, ele também tem um projeto solo, lançando em 2005 o álbum Permanent Fatal Error. Os outros álbuns chamam-se Angle of Attack e Endino's Earthworm. Em 1993, produziu a banda brasileira Titãs, com o álbum Titanomanquia, se juntando depois a eles nos discos Domingo (1995), As Dez Mais (1999), A Melhor Banda de Todos os Tempos da Última Semana (2001) e MTV ao vivo Titãs (2005). Três anos mais tarde (1996), produziu o álbum Skunkworks, trabalho da carreira solo do vocalista do Iron MaidenBruce Dickinson.

Pela primeira vez, o Titãs lança um álbum sem seu co-fundador, Arnaldo Antunes, embora este assine em parceria com a banda (que mais uma vez recorreu aos créditos coletivos) três faixas: "Disneylândia", "Hereditário" e "De Olhos Fechados". O massacre que a banda sofreu da crítica na época de Tudo ao Mesmo Tempo Agora foi retribuído com um disco mais furioso ainda - mas desta vez com produção e mixagem bem resolvidas, a primeira a cargo do norte-americano Jack Endino, conhecido por ter guiado a produção minimalista da estréia do NirvanaBleach.
Se não foi unanimidade na hora de ser recepcionado pela imprensa, Titanomaquia tampouco fracassou totalmente nessa ocasião. Teve boas resenhas em jornais como a Folha de São Paulo e O Globo. Referente ao público, as vendagens mais uma vez ficaram aquém da expectativa sobre um dos mais representativos grupos de rock brasileiro, mas os shows ainda eram um must à parte.
Os principais sucessos do trabalho foram "Será que é Isso o que Eu Necessito?" (cantada por Sérgio) e "Nem Sempre se Pode ser Deus" (com os vocais de Branco), cujas letras deixavam claro o quanto o grupo esnobava as palavras negativas dos formadores de opinião. Além destas, "Hereditário" - única faixa cantada por Nando, que não encontrou sintonia com o disco, visto seu envolvimento com a MPB, e não compôs uma única faixa presente no CD - e "Taxidermia" (interpretada por Paulo) também tiveram êxito e ganharam videoclipes.
Foi neste mesmo período que a banda, em sociedade com o produtor e jornalista musical gaúcho Carlos Eduardo Miranda, fundou o selo Banguela, de breve existência, mas que revelou ao Brasil um futuro sucesso na mídia, o grupo brasiliense Raimundos. Outros contratados do selo eram o Mundo Livre S/A, o Graforréia Xilarmônica, o Maskavo Roots, e a banda Kleiderman, formada por Branco MelloSérgio Britto e a baterista Roberta Parisi só para citar alguns. Já em férias, os integrantes investiram em vários projetos paralelos.

  1. Será que é isso o que eu necessito? (Sérgio Britto) - A canção que abre o disco.Fala abertamente e manda tomar no cu,um suposto "crítico" de música,na minha concepção.Eu ja fui alvo da crítica destrutiva por gente que me desconhece musicalmente e mandei todos se foderem.
  2. Nem Sempre Se Pode Ser Deus (Sérgio Britto/Branco Mello) - Outra letra mais foda do disco.EU praticamente adoro essa música.Não tenho o que e como definí - la eu só sei que nem sempre se pode ser deus...
  3. Disneylândia (Arnaldo Antunes/Sérgio Britto/Paulo Miklos) - Arnaldo Antunes acertou em cheio na segunda canção desse trio.Mas na minha opinião,é a mais fraca do LP.Não que eu não goste,mas não agradou.
  4. Hereditário (Arnaldo Antunes/Tony Bellotto/Nando Reis) - A mais pesada,ou seja,mais pancada do disco.O Charles não mede esforçou qdo começa dando pancada nos pratos e nos tambores da batera.E por incrível que pareça,a única da parceria com Arnaldo e Tony.O Nando ficou muito puto de não poder ter contribuído com mais uma faixa,já que o repertório estava fechado.Seria "Meu Aniversário",mas essa faixa acabou que foi gravada no primeiro disco do Nando,que pensou em sair da banda depois da saída do Arnaldo,só por sua musiquinha amena não ter entrado.
  5. Estados alterados da mente (Arnaldo Antunes/Branco Mello) - A outra bem mais pesada do disco.Começa pelos rifes das guitarras do Fromer e do Bellotto. A música trata de um assunto pouco relatado musicalmente:Psicanálise,cuidados com a mente humana.
  6. Agonizando (Sérgio Britto) - Porra.Esse é a mais grunge de todas as 13 do disco.Ele fala de um cara que agoniza e acaba morrendo no final.
  7. De Olhos Fechados (Arnaldo Antunes/Sérgio Britto/Paulo Miklos) - Outra do Arnaldo.Feita sob encomenda com o Miklos e com o Britto para esse disco,Uma música mais confusa que "Porrada" do "Cabeça Dinossauro".
  8. Fazer o quê (Charles Gavin/Sérgio Britto/Arnaldo Antunes) - A mais foda das mais fodas do disco.Não tenho o que definir sobre ela,como diria o título:FAZER O QUÊ? EU VOU FAZER O QUÊ ?
  9. A Verdadeira Mary Poppins  (Sérgio Britto/Marcelo Fromer/Paulo Miklos) - Na minha opinião,também não agradou,mas como diz o Britto,amigo,tem quem goste!
  10. Felizes São Os Peixes (Branco Mello/Sérgio Britto) - Essa música me lembrou o filho do Branco,como o Marcelo Fromer comentou uma vez.A primeira palavra do Bento foi exatamente essa:PEIXE!
  11. Tempo Pra Gastar (Sérgio Britto) - A letra é clara e objetiva,não tem meio termo,como diria o Paulo Miklos,falamos de uma forma sintética,absoluta,direta e ácida."Tenho tempo pra gastar,tempo pra passar da hora,tenho tempo pra desperdiçar,tempo pra jogar fora".Precisa dizer mais?
  12. Dissertação do Papa sobre o crime seguido de orgia (Branco Mello/Arnaldo Antunes) - Na altura dos acontecimentos,essa letra tinha que cair justamente no disco.O sadismo era uma coisa fundamental e conta a história de tantas das maldades ocorridas no século passado.Branco e Arnaldo acertaram em cheio no esboço da letra.
  13. Taxidermia (Paulo Miklos/Tony Bellotto/Arnaldo Antunes) - A última do disco.O Paulo entoa a canção com toda firmeza sintética e coloca outra frase "Se eu tivesse seus olhos eu seria famoso".
FICHA TÉCNICA 
Produção executiva: Nelson Damascena e TitãsEstúdio de pré-produção: Oásis (SP)
Técnicos: Evaldo Luna, Nivaldo Costa e Valter Tavares
Assistentes: Paulinho Brandão
Gravação de Demo Tape: Paulo Junqueiro
Estúdio de gravação: Nas Nuvens (RJ)
Engenharia de gravação: Jack Endino e Paulo Junqueiro
Assistentes de gravação: Otávio Paixão e Ivan Knopfler
Mixagem: Nas Nuvens (RJ)
Engenharia de mixagem: Jack Endino e Paulo Junqueiro
Assistentes de mixagem: Guilherme Calicchio,

Márcio Paquetá, Renato Munhoz, Sérgio Chataignier
Manutenção: Ricardo Garcia
Masterização: Future Disc (Los Angeles)
Engenharia de masterização: Eddie Schreyer e Paulo Junqueiro
Coordenação gráfica: Silvia Panella
Capa: Fernando Zarif
Corte: José Oswaldo Martins
Roadie: César Gavin

TITÃS 
  • Branco Mello: vocal
  • Charles Gavin: bateria e percussão
  • Marcelo Fromer: guitarra
  • Nando Reis: baixo e vocal
  • Paulo Miklos: sampler, sintetizador e vocal
  • Sérgio Britto: mini-moog, órgão e vocal
  • Tony Bellotto: guitarra


sábado, 3 de novembro de 2012

Primeiro disco dos Titãs e compacto

 TITÃS 1984 - LADO A

TITÃS 1984 LADO B















COMPACTO 1984

Sonífera Ilha (Branco Mello - Ciro Pessoa - Tony Bellotto - Marcelo Fromer - Carlos Barmack)
Voz:Paulo Miklos
Toda Cor (Marcelo Fromer - Ciro Pessoa - Carlos Barmack)


















Titãs 1984 - Analisando o primeiro disco...minha concepção

Era o ano de 1984 e os Titãs assinam com a Warner pra lançar o primeiro álbum da carreira e por si só,foi o álbum que levou a banda ao estrelato,por ser mais pop e arrojado,mas intitulado "brega"pela crítica.Eu não o adquiri,ganhei de um amigo em comum do meu pai,o Carlinhos Batata em 1994,um mês depois de completar 12 anos,acho que em Junho.Vamos analisar as onze faixas do disco.










  1. Sonífera Ilha (Carlos Barmack,Ciro Pessoa,Branco Mello,.Tony Bellotto e Marcelo Fromer) - A primeira faixa a fazer sucesso,por isso é tão popular e conhecida no Brasil inteiro.O Ciro saiu antes de sair o disco,mas deixou sua marca e projeção.A canção é linda,até...
  2. Marvin (Patches) (G,N. Johnson e Ronald Dunbar - Versão de Nando Reis e Sérgio Britto) - Uma das canções do disco que só ganhou destaque quatro anos depois quando Charles Gavin modernizou  o reggae feito por essa dupla da versão original e o Briito e o Nando fizeram a versão em português,que virou uma lição de vida e o refrão conhecido "Marvin,agora é só vc..." ,enfim.
  3. Babi Índio (Ciro Pessoa e Branco Mello) - Um rockzinho que o Branco e o Ciro fizeram para o filme "Areias Escaldantes", e a banda era a estrela principal.O coro do Arnaldo,Nando e Sérgio Britto,marcavam o refrão.
  4. Go Back (Sérgio Britto e Torquato Neto) - Uma das primeiras canções feitas pelo Britto,mas essa foi a melhor,porque se baseava num poema do Torquato Neto,poeta baiano da época da ditadura e parceiro de Gilberto Gil.O refrão marcou a canção - "Só quero saber,o que pode dar certo,não tenho tempo a perder".
  5. Pule (Arnaldo Antunes e Paulo Miklos) - Essa é a faixa mais louca e divertida do disco,não tenho como definí - la.Quando se trata de letra e música,o Arnaldo e o Paulo,acertaram em cheio.
  6. Querem Meu Sangue (The Harder They Come) (Jimmy Cliff - Versão de Nando Reis) - Um puta clássico do reggae foi transformado num grande sucesso,mas fora reeditado 15 anos depois,quando o compositor Jimmy Cliff cantou junto com os Titãs,na época do acústico.O Nando fez a versão para "Querem Meu Sangue" em 1983,pra cantar no programa "Fábrica do Som",da TV Cultura.
  7. Mulher Robot (Tony Bellotto) - A outra faixa louca do disco.O Tony Bellotto fez coisas maravilhosas como "Isso" e "Pra Você Ficar",mas essa,foi escolhida pro Paulo Miklos cantar pela primeira vez no disco.
  8. Demais (Arnaldo Antunes) - Uma das canções maravilhosas do Arnaldo,compondo sozinho e com o coro dos outros integrantes (Branco e Nando).Uma bela canção romântica na minha opinião.
  9. Toda Cor (Marcelo Fromer,Ciro Pessoa,Barmack) - Outra canção maravilhosa do disco.Fez parte do compacto com "Sonífera Ilha".Feita pelo Ciro,pelo Marcelo e o Barmack (Os mesmos compositores de "Sonifera Ilha").
  10. Balada para John e Yoko (The Ballad of John and Yoko) - Outra versão maravilhosa.O Britto também curtte os Beatles e escolheu essa para fazer sua versão em português.Ele fala de Cristo com uma clareza,sutil,sem firula,sintética.
  11. Seu Interesse (Paulo Miklos - Arnaldo Antunes e Marcelo Fromer) - A última do disco.Agora é a vez do Arnaldo entoar a canção feita com o Paulo,que por sua vez entoou "Pule",deles dois.A letra também é clara e direta e o Arnaldo,principalmente,perguntando - "Agora que eu faço sucesso,vc não me dá mais sossego,quer dizer que agora eu presto pra vc brincar ?"

História


Após várias divergências enfrentadas - como a indisposição do co-fundador Ciro Pessoa de continuar no grupo - os Titãs - agora sem o "do Iê Iê" que carregavam no nome - gravaram seu primeiro álbum, com onze faixas. Embora com um repertório afiado (criado nos então dois anos de existência da banda), o disco decepcionou o conjunto no que tange à produção, realizada em um estúdio de gravação (24 canais), o Áudio Patrulha,na época, o estúdio em São Paulo, com a mais nova tecnologia de gravação de áudio multicanal, deixando o som bastante fraco, em função da falta de experiência técnica e artística do grupo. Ainda assim, foi um disco bem recebido pela crítica daquela época.

Foi nele que os Titãs vieram a conhecer seu primeiro grande sucesso: "Sonífera Ilha", cantada por Paulo Miklos. Assinada por Tony Bellotto, Marcelo Fromer, Branco Mello, Ciro e Barmack, garantiu presenças constantes nas rádios e em atrações televisivas como a Discoteca do Chacrinha e o Programa Raul Gil. As vendagens de Titãs, porém, foram decepcionantes: o álbum não chegou nem mesmo a 50 mil cópias vendidas. Parte da culpa foi atribuída ao lançamento em compacto da própria "Sonífera Ilha", que acabou por trazer "Toda Cor", futuro single, no lado B, que vendeu cerca de 60 mil exemplares. Mas o lançamento de singles era uma praxe no mercado brasileiro na época e uma ferramenta decisiva para o sucesso de bandas contemporâneas dos Titãs, como o Ultraje a Rigor e o Kid Abelha. Nesse sentido, o lançamento do single é uma explicação pouco convincente para as baixas vendagens do disco de estréia.

Fora estas duas faixas, ainda constam versões para: "The Harder They Come", de Jimmy Cliff, que Nando Reis interpretou como "Querem Meu Sangue"; "Patches" (de Ronald Dunbar e G. N. Johnson), vertida para o português como "Marvin" por Nando e Sérgio Britto; e de "Ballad of John and Yoko" (dos Beatles), transformada por Sérgio em "Balada Para John e Yoko", sem contar a versão inicial de "Go Back", feita pelo tecladista a partir de um poema de Torquato Neto. Todas seriam posteriormente revistas em outros discos do grupo, com resultados consideravelmente superiores tanto do ponto de vista artístico quanto financeiro.

No final daquele ano de 1984, André Jung sai da banda. Acharam em Charles Gavin, ex-membro do Ira! e então membro do RPM, o substituto ideal para os futuros trabalhos. Curiosamente, André Jung entraria em seguida para uma das bandas mais tradicionais do rock'n'roll brasileiro - o mesmo Ira! que Charles Gavin abandonara por discordar dos rumos mods que o grupo seguia, estética e sonoramente.


Formação

André Jung: bateria e percussão
Arnaldo Antunes: vocal
Branco Mello: vocal
Marcelo Fromer: guitarra
Nando Reis: baixo ("Sonífera Ilha", "Go Back", "Mulher Robot" e "Pule") e vocal
Paulo Miklos: baixo, teclado ("Go Back") e vocal
Sérgio Britto: teclados e vocal
Tony Bellotto: guitarra


Participações Especiais

Alberto Marsicano: cítara ("Demais")
Eduardo Souto Neto: arranjos e regência de metais ("Querem Meu Sangue" e "Balada Para John e Yoko")
George Freire: sax em ("Marvin")
Gil e Nono: trompete
Proveta e Baldo: sax
Ivan: trombone

Créditos

Produzido por Pena Schmidt
Engenharia de som: Ricardo "Franja" Carvalheira
Arte final: Ruy Tadeu Matsumoto
Capa: Ricardo Van Steen e Ucho Carvalho (CVS)
Foto: Dimitri Lee





Titãs - Show no Olympia SP - 30 e 31/10/1998 - Volume Dois

Titãs - Sonifera Ilha

Titãs - Sonífera Ilha

TITÃS SHOW DE 30 anos - Fundição Progresso